Facebook
0800 643 2499
 SMS 27800  

Notícias

Cerbranorte homenageia voluntários: Histórias que inspiram



Com o intuito de homenagear todos aqueles que praticam o voluntariado, contamos em nossas redes sociais um pouquinho da história de alguns voluntários, representando todos que dedicam parte do seu tempo para se doar em prol de importantes causas. A ideia é compartilharmos os relatos em nossas redes sociais e motivarmos as pessoas a se engajarem mais com as comunidades, ressaltando que fazer o bem não se limita apenas em grandes doações, mas a pequenos gestos onde o objetivo é transformar o mundo em um lugar melhor. Os voluntários escolhidos foram indicados pelos colaboradores da Cerbranorte e atuam em áreas distintas, mas têm histórias dignas de muito orgulho e principalmente de inspiração. 


Eduardo Becker Zappelini é colaborador da Cerbranorte, mas também dedica parte do seu tempo para ser bombeiro comunitário e socorrista, da 3ª/8º Batalhão de Bombeiro Militar, de São Ludgero. Este é um sonho de infância, que começou a tomar forma há dois anos quando Eduardo participou dos treinamentos necessários como o de combate e prevenção a incêndio, primeiros-socorros e resgate veicular, tornando-o apto para a profissão. “Sou bombeiro comunitário e não tem palavras que possam expressar o que é salvar uma vida”, destaca.


Ruth Claudino Moraes, colaboradora da Cerbranorte há 8 anos, também é terapeuta de Reiki no Centro de Educação em Saúde de Prática Integrativas, o CESPI, onde é voluntária todas as quintas-feiras à noite. O Reiki é uma terapia natural, uma energia de cura extremamente positiva e benéfica que auxilia no tratamento de doenças, através da imposição das mãos. Funciona como tratamento espiritual, físico e emocional. “Quando surgiu essa oportunidade de fazer o curso do Reiki, eu agarrei. Pois, eu queria ajudar as pessoas, ser voluntária”, lembra Ruth.


Albertina De Bona Laurindo, moradora do Bairro Vila Nova há 25 anos, sempre foi voluntária da comunidade. Envolvida com as ações da Igreja, tem se dedicado às santas missões, levando palavras de fé as pessoas. Outro motivo que a enche de orgulho foi a mobilização para a construção da capela de Nossa Senhora Aparecida e da rampa de acesso, o tempo dedicado para a arrecadação das doações de cimento valeram muito a pena ao ver a obra pronta. Albertina destaca o quanto é importante o voluntariado para as comunidades. “Todo mundo serve, todo mundo tem um dom para ajudar, é só ter coragem e começar. Depois que começa a gente não consegue mais ficar sem. Eu tenho certeza disso, pois eu não consigo parar” conclui.


Olga Scheibe, moradora de Rio Fortuna, foi colaboradora da Cerbranorte por 26 anos, há dois está aposentada, mas é muito envolvida nas ações da comunidade.  Ela é voluntária do centro de convivência dos idosos, é ministra da eucaristia na Paróquia de São Marcos e sempre ajuda nas ações e pedágios da Apae. Defende que para o mundo ser melhor precisamos cuidar bem das pessoas, dos animais e da natureza, por isso está sempre cuidando da limpeza da rua em frente a casa, separa o lixo corretamente e se preocupa com o meio ambiente. “Voluntário é se sentir útil em poder ajudar alguém. Mesmo que seja só com um sorriso ou uma palavra amiga, mas que a gente consiga transformar o dia de outra pessoa”, ressalta.


Marli Teresinha da Silva Nazário, mais conhecida com Marlizinha, mora no Bairro São Francisco de Assis. Catequista a quase 40 anos, sempre realizou trabalho voluntário, seja na arrecadação de roupas e alimentos ou até mesmo de remédios para famílias carentes. Com a chegada dos Haitianos a Braço do Norte, ficou a disposição deles para ajudá-los no que fosse preciso, hoje muitos a chamam de mãe em forma de agradecimento a todo carinho dedicado. Marli conta que o desejo de ajudar o próximo é como uma tradição, pois lembra dos pais ajudando as pessoas da forma que podiam quando ela era criança.  “Meus pais ajudavam muitas pessoas, e eu sigo fazendo isso, porque eu achava muito bonito”, lembra Marli. “Nós precisamos de muito mais gente, que se coloquem à disposição, porque para um mundo melhor precisamos de mais pessoas que praticam o voluntariado”.

 
28/08/2019